domingo, 15 de dezembro de 2013



Querida Maria Clara, minha sobrinha linda!

Josimara Neves

Outro dia mesmo, você era tão pequena que nos colocava diante de nossa pequenez ao ter que cuidar de você! Nunca pensei que pouco mais que um quilo, para ser mais precisa, 1.240kg, fosse tão expressivo quanto se trata da balança existencial! Você era um “pacotinho” que precisava de nossa atenção, de nossos cuidados, do nosso melhor! E nós não sabíamos como cuidar de uma bebê tão pequena e aparentemente frágil, mas que, desde cedo,  sabia o valor de lutar para viver.
Nascida prematura, aos seis meses e meio, com os pulmõezinhos não totalmente prontos para enfrentar o mundo aqui fora, mostrou-se uma guerreirinha forte e alegre. Chorava pouco, dormia bem e nos alegrava o tempo todo: tanto no silêncio quanto nos choros; quando dormia, ficávamos de plantão olhando para ver se você acordaria logo para podermos pegá-la. No começo, dava medo, por ser tão pequenininha, mas, depois, descobrimos o prazer de ter um bebê por mais tempo, já que você se manteve assim até começar a espichar e a espichar.
Outro dia mesmo, você levantava os pezinhos para tentar alcançar a maçaneta da porta...
Outro dia mesmo, você não sabia falar, tinha o sorriso careca e pouco cabelo. Brincava de “tuti-achou” e ria incansavelmente das mesmas brincadeiras de sempre. Jogava um brinquedinho no chão e sentia um prazer enorme em nos ver agachar, feito bobas, pegando-o para poder lhe entregar até você voltar a jogá-lo no chão inúmeras vezes, vencendo-nos pelo cansaço!
Outro dia mesmo, você era pequena...
O tempo passou e nos demos conta de que você crescia muito, cada vez mais!  Crescia no olhar, nas ideias, nas brincadeiras, nas estripulias, na sua criancice! Calças pegando frango, sapatos apertados, vestidos curtos..Para trás, ficaram as lembranças do pouco tempo em que você foi pequena de tamanho, pois, por dentro, nunca foi! Nasceu com garra, com vontade de vencer, de competir, de desbravar o mundo! Hoje, cada vez mais crescida por fora e maior por dentro: dá conselhos, sabe acolher, gosta de cuidar, é responsável e diz cada pérola que é preciso gravar para nunca mais esquecer!
Às vezes eu me pego refletindo sobre os seus dizeres e percebo o quanto de nós está em você e o quanto de você está em nós! Estamos juntas e misturadas, perto e unidas! Lembro-me do dia em que disse para a vovó:

“___ Vó, não precisa ficar triste! Você tem três filhas que te amam e uma netinha que te adora!”

Em outra ocasião, escreveu para mim quando eu iria fazer uma prova:

“___ Tia, você vai superar essa prova porque você já superou a sua vida!”

Numa ocasião em que um coleguinha não ganhou a competição, disse-lhe:

“___ O importante é que a gente deu o nosso melhor!”

Enquanto brincava com dois priminhos que estavam com medo do “monstro do espelho”, você falou para eles:

“ ___ Não precisam ter medo! Medos existem para ser enfrentados, e monstros só existem na nossa imaginação e em lendas!”

Às vezes é difícil aceitar que você cresceu tanto! Outro dia me deparei  lhe dizendo alguma coisa, e você simplesmente me falou:

“___ Menos, tia!  Não exagera!”

Foi aí que eu me dei conta do quanto você cresceu por dentro! Do quanto os seus sete anos lhe deram maturidade, apesar de você ainda ser criança!

Ontem (15/12/2013), ao vê-la nadar numa competição, não consegui enxergar  apenas a água da piscina, você batendo os braços e as pernas com força para chegar na frente e ganhar a competição. Eu vi você com 1.240kg lutando para respirar, lutando para sobreviver! Ontem você ganhou a medalha de ouro, que, na verdade, deveria ter sido entregue assim que você nasceu! Parabéns, pequena grande criança, a nossa guerreirinha! O nosso MAIOR orgulho!

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.